Inicial Anúncio Cadastro Gratuito Colabore Fale Conosco
Página Inicial
Ação Social
Cursos e Eventos
Feiras/Exposições
Vitrine de Artesãos
Dicas para Artesãos
Microcrédito
Assoc./Cooperativa
Convênios
Lojas
Técnicas
Portal na Mídia
Enquete
Links Importantes
Lojas Virtuais
Vitrine Virtual
Promo Eventos
Fale Conosco
Notícias

 

Comunidade do Artesanato Bauru no Orkut. Participe!

 



 

Hora de Arte

 

artesanato na internet


 

principal

 

NOTÍCIAS

Artesãs de Minas ganham prêmio socioambiental

As artesãs do Projeto Veredas são as vencedoras do 1.º Prêmio Objeto Brasileiro na categoria Ação Socioambiental. O projeto envolve 180 fiandeiras e cinco associações do Vale do Urucuia, no noroeste de Minas. As mulheres dominam todo o processo de produção, iniciando pela confecção do fio, tingimento com corantes naturais e elaboração dos tecidos. Os trabalhos finalistas e os vencedores podem ser apreciados até 28 de novembro, na Casa do Museu do Objeto Brasileiro, em São Paulo. As mulheres do projeto trabalham com 18 cores obtidas a partir de folhas de manga, goiaba, serragens de árvores, cascas de cebolas, entre outros. "A nossa produção é sustentável. Eliminamos oito tons porque teriam de ser produzidos a partir de espécies existentes em áreas de preservação, como é o caso do amarelo, obtido a partir da árvore quaresminha", explica Lucina Vale, gerente do Projeto Veredas.

Respeito ao ambiente - As cascas de cebola são doadas por um produtor da região, as folhas de manga podem ser obtidas nos próprios quintais dos moradores e, com Instituto Estadual de Florestas e a Escola Agrícola, as associações desenvolvem projeto para plantio de árvores destinadas a fornecer, no futuro próximo, serragem para a obtenção de tinta.

Em média, as mulheres gastam meio quilo de casca de cebola para conseguir um tom amarelado e tingir um quilo de linha de algodão. Para ter uma cor esverdeada, são necessários cinco quilos de folha de manga. "A produção dos fios de algodão e a obtenção de cores já eram do conhecimento das mulheres. As cidades dessa região de Minas apresentam baixo índice de desenvolvimento humano então elas desenvolveram o trabalho para suprimento próprio e também para complementar a renda doméstica. Nós estruturamos e organizamos a operação", explica Luciana.

Ganhos - A organização em rede levou as associações à especialização. Há a que produz os fios de algodão, a que tinge e as que fazem os tecidos. Segundo Luciana, as mulheres que fazem os fios ganham de R$ 150 a R$ 200 por mês. As tingideiras e as tecelãs retiram em torno de um salário mínimo (R$ 415,00). O núcleo responsável pelo tingimento tem capacidade para colorir até 150 quilos de linha de uma só cor por dia.

O Prêmio Objeto Brasileiro, criado pela ONG ArteSol, tem o apoio de instituições como o Sebrae-MG e Ministério da Integração, entre outros. O Projeto Veredas faz parte do Programa Artesanato Solidário para Geração de Renda e está focado no artesanato de raiz ou em risco de extinção. São cinco as associações que participam do programa: Associação dos Artesãos de Uruana de Minas, Associação dos Artesãos de Riachinho, Associação dos Artesãos de Sagarana, Associação dos Artesãos de Matalândia e Associação dos Artesãos de Bomfinópolis de Minas. Informações sobre as ações do Projeto Pólo Veredas podem ser obtidas pelo telefone (38) 3678.1182.

Servio:
A Casa Museu do Objeto Brasileiro
Rua Cunha Gago, 807 Pinheiros, em São Paulo
Tel: (11) 3814.9711
www.acasa.org.br

Fonte: Antonio Gaspar - Site Terra de 10/10/08

voltar para ler mais notícias

 

 

Meu Bazar

© Copyright 2008 ARTESANATO BAURU E REGIAO | Todos os direitos reservados.

ArtesanatoBauru é uma iniciativa REVELARE Agência de Internet para promover a cultura em nossa região.